Google I/O 2017 – 18, 19 e 20 de maio

realidade virtual

Assista o evento ao vivo – http://www.androidpit.com.br/como-assistir-google-io-ao-vivo

O Google planeja usar a conferência de desenvolvedores Google I / O desta semana para dar aos desenvolvedores um primeiro olhar sobre os headssets de realidade virtual de próxima geração , de acordo com o site Variety  o  headset está sendo descrito como um dispositivo móvel VR autônomo, o que significa que ele não exigirá um telefone ou um PC para executar jogos e experiências VR.

Google tem supostamente trabalhando em um headset standalone por mais de um ano . A tecnologia utilizada para isso foi descrita como de ponta, e provavelmente incluirá rastreamento de posicionamento de dentro para fora. Com isso em mente, as fontes também advertiram que a empresa pode decidir apenas dar uma pré-visualização limitada, e há sempre uma chance de uma mudança e que possa acabar com a revelação completamente e em vez disso focar em sua plataforma Daydream VR existente.

Um porta-voz do Google se recusou a comentar.

A conferência de desenvolvedores do Google será realizada em Mountain View, de quarta-feira a sexta-feira, e a empresa programou eventos-chave para quarta-feira e quinta-feira de manhã.

O Google usou a conferência de desenvolvedores Google I / O do ano passado para revelar a Daydream , sua plataforma de VR móvel baseada no Android, que combina usa celulares high-end para alimentar jogos e experiências de VR. O dispositivo que o Google planeja exibir esta semana foi descrito por como o próximo passo VR, mas não está claro se o dispositivo será executado no Android, ou fazer uso de um sistema operacional separado completamente.

De muitas maneiras, um headset standalone ajudaria Google a montar o quebra cabeça VR que a empresa tem vindo a montar ao longo dos últimos anos.

Uma dessas peças é Tango, sua plataforma de Realidade Aumentada (AR). Tango começou como um projeto do laboratório X do Google, mas desde então tornou-se parte do mesmo grupo VR que também tem vindo a desenvolver Daydream. Os telefones Tango são capazes de mapear uma sala, permitindo aos desenvolvedores organizar personagens virtuais em relação a objetos reais e acompanhar o movimento do telefone à medida que o usuário se move pela sala.

Grande parte da mesma tecnologia também pode ser usada para rastreamento de posição, o que significa que o fone de ouvido pode acompanhar os movimentos do usuário no espaço, sabendo se alguém se inclina para a frente ou dá um passo. Este tipo de tecnologia está sendo suportado pelo Oculus Rift do Facebook, PlayStation VR da Sony e Vive da HTC, mas todos esses fazem uso de câmeras e sensores externos para rastrear um usuário.

Os headset do Google devem usar sensores on-board para o que é chamado de rastreamento interno, eliminando a necessidade de instalar qualquer hardware externo. Rastreamento de dentro para fora é visto como a próxima grande coisa para a realidade virtual, e tem o potencial de simplificar drasticamente o uso de telefones para VR. É por isso que o Facebook tem trabalhado em seu próprio headset VR autônomo com rastreamento de dentro para fora, que exibiu pela primeira vez na Oculus Connect no ano passado.

A HTC também se comprometeu a construir um headset autônomo com rastreamento de dentro para fora, e a tecnologia é fundamental para os esforços de realidade mista da Microsoft quee fará parte dos futuros headset da Acer e da HP.

Outra peça do quebra-cabeça na busca de VR do Google é a sua reserva de grandes aplicativos VR. No início, o Google adquiriu o Tiltbrush, o aplicativo de desenho que permite aos usuários criarem pinturas em 3D e que até foi abraçado pela lenda da animação Disney Glen Keane . No ano passado, o Google lançou o Google Earth para a realidade virtual, que desde então se tornou um dos aplicativos VR mais bem classificados no fone de ouvido Vive VR da HTC.

E no início deste mês, o Google adquiriu a Owlchemy Labs, fabricante do Job Simulator, outro jogo de VR muito popular. Com isso, o Google agora possui três aplicativos VR assassinos. Mas Tiltbrush, Google Earth e Job Simulator também têm algo em comum: eles não funcionam nos fones de ouvido Daydream do Google e, em vez disso, foram lançados no Oculus Rift e no HTC Vive.

Com um headset autônomo, o Google pode participar plenamente em todas as áreas de VR e realidade mista – mas provavelmente levará algum tempo para esse dispositivo chega nas mãos dos consumidores.

Não só os desenvolvedores precisam descobrir novos aplicativos e experiências otimizadas para esse hardware em particular, mas também há vários desafios técnicos não triviais para tornar esses dispositivos funcionais para os consumidores. Isso inclui obter rastreamento dentro-fora para trabalhar em uma variedade de ambientes, bem como problemas de consumo de energia. É por isso que qualquer coisa mostrada no Google I / O nesta semana pode ser apenas um breve vislumbre da próxima geração de VR que vem do Google. Então temos um bom tempo para aproveitar os dispositivos que temos hoje. Bora imersão!

Toshio

Deixe uma resposta